2013-09-13

para que serve rezar?




Porquê a oração na vida dum cristão? Para que serve? Que perspectivas abre?” Estas perguntas seguem a primeira de que já falei: o mal é que a pergunta é co-natural e comum. Isto explica-se, porque a Palavra de Deus foi habilmente manipulada pela cultura burguesa que se infiltrou na Igreja, sobretudo, no vértice da Igreja. A oração foi encaixotada, sequestrada, reconvertida. A oração é o encontro íntimo e vital com Deus. Era, portanto, urgente que o vértice da Igreja oficial estivesse atento a este perigoso encontro: Deus é incómodo, Deus não entra nos limites duma civilização burguesa... Ao mesmo tempo, não era prudente deixar aberto o vazio criado pela morte e pela ausência de Deus – era urgente tapar o buraco, de tal forma que nunca fôssemos, desagradavelmente, surpreendidos.

Aqui está a razão porque se fez da oração um belo momento evasivo da vida. Tentou-se encontrar a consciência do crente, fazendo-o falar e ouvir uma língua arcaica, ininteligível. Rodeou-se, o momento sagrado, com o perfume do incenso, com a delicadeza de um canto académico, com práticas untuosas de homens praticamente castrados. Aquilo não era um encontro com um Deus vivo, que dizia a Moisés: «Os gritos dos filhos de Israel vieram até mim e vi como os egípcios os oprimem: vem e eu te mandarei ao faraó para que tu faças sair do Egipto o meu povo» (Ex 3:9-10).

Era preferível a visita ritual a um mausoléu, onde repousa recomposto e embalsamado o cadáver de uma grande figura histórica, que durante a sua vida tenha sido incómoda, mas depois recuperada pelos moderados. 


Texto integral, aqui
via - a sala de cima 

 

Sem comentários:

Enviar um comentário