2013-09-20

Por caminhos não percorridos


Rudolf Koppitz. Zwei Bruder [Two Brothers]. c.1930.



Por caminhos não percorridos,
Pela vegetação das margens das lagunas,
Fugindo da ostensiva vida,
De todas as normas já promulgadas, dos prazeres, benefícios convenções,
Tudo isso com que, demasiado tempo, alimentei a minha alma,
Convencido enfim de que as normas ainda não promulgadas, convencido de que a minha alma,
De que a alma do homem por quem falo descobre a alegria nos companheiros,
Aqui, a sós, longe do tumulto do mundo,
Em harmonia com as aromáticas línguas que me falam,
Sem me envergonhar mais (pois neste lugar distante, como em nenhum outro posso abandonar-me),
Entregue à vida que não se revela ainda que tudo contenha,
Decido-me hoje a cantar apenas os cantos do viril afecto,
Projectando-os ao longo da plena vida,
Legando, desde já, as formas de másculo amor,
Pela tarde deste delicioso Setembro dos meus quarenta e um anos,
Dirijo-me a todos os homens que são ou foram jovens,
Conto-lhes o segredo das minhas noites e dos meus dias,
Celebro a necessidade de companheiros.



Walt Whiltman
Folhas de Erva
Tradução de José Agostinho Baptista

Sem comentários:

Enviar um comentário