2014-03-18



Desfraldando ao Conjunto Fictício dos Céus estrelados  

Desfraldando ao conjunto fictício dos céus estrelados
O esplendor do sentido nenhum da vida...

Toquem num arraial a marcha fúnebre minha!
Quero cessar sem consequências...
Quero ir para a morte como para uma festa ao crepúsculo. 



Álvaro de Campos, in "Poemas"

Sem comentários:

Enviar um comentário