2014-05-27




os trabalhos e as noites


para reconhecer na sede o meu emblema
para concretizar o meu único sonho
para nunca mais voltar a sustentar-me no amor

fui toda oferenda
num puro errar de loba no bosque
na noite dos corpos

para dizer a palavra inocente


alejandra pizarnik


 

2014-05-24





"Quando perco tudo, resta-me Deus." [marguerite yourcenar]


afirmação extraordinária, pois o que nomeamos como Deus é nada menos que tudo. 



2014-05-17




Assim é o homem; quando o bem lhe chega e até um Deus cuida dele
Enchendo-o de dons, não o reconhece e não quer saber.
Tem, antes, que sofrer; depois quando nomeia o que ama,
Nada pode impedir que as palavras surjam como flores.



F. Hölderlin in Elegias
tradução Maria Teresa dias Furtado

2014-05-10






O SONHO DE UMA LÍNGUA COMUM
VIII.


Consigo ver-me há anos em Sunion,
doendo-me de um pé infectado, Filoctetes,
em forma de mulher, coxeando o longo caminho,
deitada num promontório sobre o mar escuro,
olhando pelas rochas vermelhas até onde uma espiral silenciosa
de brancura me dizia que uma onda tinha rebentado,
imaginando a força daquela água lá das alturas,
sabendo que suicídio deliberado não era comigo,
mas o tempo todo cuidando, medindo aquela ferida.
Pois bem, tudo isso acabou. A mulher que prezava
o seu sofrimento está morta. Sou a sua descendente.
Amo o tecido cicatrizado que me legou,
mas quero partir daqui contigo
combatendo a tentação de fazer da dor uma carreira.
Adrienne Rich in Uma Paciência Selvagem

#imagem - Flor Garduño 



2014-05-01



E estas dores, as mais antigas, não deviam
enfim dar-nos mais frutos? Não é tempo de, amando,
nos libertarmos do amado e de, a estremecer, levarmos a melhor:
como a seta vence a corda para, concentrada no desferir-se,
ser mais do que em si mesma. Porque deter-se é em nenhures.


Elegias de Duíno - Primeira
Rainer Maria Rilke
Vasco Graça Moura





imagem, daqui