2015-06-20



 
Tive uma vida em ti. Melhor do que 
ninguém, sabes que não sou 
capaz de escrever poemas de amor. Em contrapartida, uso 
e abuso de versos para os demais assuntos.
Poemas de amor é que não.
Há muito que desisti deles, nem sei
porque me ponho agora a falar disto.

Existem metáforas sem fim. Disponho 
da linguagem toda. A coisa falha,
a maldita formulação,
assim que lhe chego perto a imagem de que 
deveria derivar
um poema que fosse de amor.
E de repente fico só com as palavras,
eu e as palavras e um vazio.

Admito que o meu modo de amar
configure um caso estranho
e pouco substantivo. Ainda amor,
talvez, e talvez
intraduzível. Decerto incompatível 
com o sentido honesto das palavras
que vou desalinhando e se mostram
prestáveis para outros fins, excepto para serem 
palavras de amor: matéria nuclear, uma ave 
de rapina engaiolada no escuro, o que quiseres 
imaginar. (...)
 
José Ricardo Nunes 
 
#imagem - Margarida Araújo

Sem comentários:

Enviar um comentário