2015-12-22

Os meus votos de Feliz Natal!


 
Presépio

Nuzinho sobre as palhas,
nuzinho - e em Dezembro!
Que pintores tão cruéis,
Menino, te pintaram!

O calor do seu corpo,
pra que o quer tua Mãe?
Tão cruéis os pintores!
(Tão injustos contigo,
Senhora!)

Só a vaca e a mula
com seu bafo te aquecem...

- Quem as pôs na pintura?


[Sebastião da Gama]

2015-12-19





O Natal tem, no entanto, uma verdade essencial. E essa verdade é tragicamente ilustrativa da condição humana. Se o facto de o Filho de Deus não ter vindo ao mundo num esplendoroso palácio (mas sim na palha de um estábulo) sugere a mais requintada das verdades poéticas, já o massacre dos inocentes ordenado por Herodes faz soar uma nota amargamente realista, visto que genocídios e massacres pautam desde sempre a história da Humanidade. Deus decidiu vir ao mundo? Então o mundo é isto: é um lugar onde um bebé recém-nascido não só não tem abrigo condigno como está na iminência de ser morto à nascença. Mais tarde, nesse mesmo Menino já crescido, cuspir-lhe-ão em cima, troçarão dele, arrancar-lhe-ão a roupa, fustigá-lo-ão de forma cruel, crucificá-lo-ão. Este Deus não veio ao mundo para ser recebido como Deus, mas como um marginal, um criminoso, um “pobre de Cristo”. Nesta mais extraordinária de todas as ideias (lindíssima, sim) é possível — e preciso — acreditar.

daqui

2015-12-17



Debaixo do chapéu desabado, Acab deixou cair uma lágrima no mar e o Pacífico nunca conteve tanta riqueza como aquela pequena gota de água.


Herman Melville in Moby Dick

2015-12-08






TEORIA DA PRESENÇA DE DEUS

Somos seres olhados
Quando os nossos braços ensaiarem um gesto
fora do dia-a-dia ou não seguirem
a marca deixada pelas rodas dos carros
ao longo da vereda marginada de choupos
na manhã inocente ou na complexa tarde
repetiremos para nós próprios
que somos seres olhados

E haverá nos gestos que nos representam
a unidade de uma nota de violoncelo
E onde quer que estejamos será sempre um terraço a meia altura
com os ao longe por muito tempo estudados
perfis do monte mário ou de qualquer outro monte
o melhor sítio para saber qualquer coisa da vida


Ruy Belo, "Todos os Poemas"
Assírio & Alvim



2015-12-06

Insane



Contra quem luta o que a si mesmo fere
Com palavras e rasga entre silêncios
A própria pele com que se apresenta
Perante a teia em contraluz que ilude
Relações, corpos e fragilidades
Tornados presença constante, postos,
Como num jogo, dissimulados
Pelo relevo da planície? Contra
Quem luta quem nunca lutou? Qual é
O peso que equilibra a ilusão
Da violência contida? Só quando
Da dor outra dor nasce o combate
Se torna possível. Quantos nomes
Terá o fim antes de se chamar
Morte? E quantas sombras se entrelaçam
Para conter uma vida suspensa
Do medo de combater por si mesma.


do Rui Almeida (via facebook)