2016-01-10



Antes que as gotas fizessem baloiçar os ramos
nós, por trás da janela, esperávamos
que a água lavasse as folhas escondidas.
Depois chovia que Deus a dava
e pusemos um copo no peitoril
a medir a água pluvial em centímetros.

Às quatro o sol apareceu
e sobre a janela o copo cintilava
pleno até à borda.

Eu e o meu irmão bebemos metade cada um
e comparámos a água do poço
com a do céu que é mais escorregadia
e contudo tem o sabor a relâmpagos.

Tonino Guerra in "O Mel"
Trad. Mário Rui de Oliveira
Assírio & Alvim


#imagem by Joahan van Keuken, Lucette, 1955

2 comentários:

  1. Bonito o poema, bonita a fotografia.

    Gosto do teu gosto.

    abraço Maria

    ResponderEliminar
  2. hummm, não se ouvem (lêem dá no mesmo) coisas destas todos os dias. :)

    Se não conheces este Mel do Tonino Guerra...é precioso.

    Abraço Luis

    ResponderEliminar