2016-04-16



uma mulher espera-me

Uma mulher espera-me, tudo ela contém, nada lhe falta,
Mas tudo lhe faltaria se o sexo faltasse, ou lhe faltasse o orvalho do homem certo.

O sexo tudo contém, corpos, almas,
Desígnios, evidências, purezas, doçuras, resultados, promulgações,
Canções, mandamentos, saúde, orgulho, o material mistério, o sémen,
Todas as esperanças, favores, graças, todas as paixões, amores, belezas, delícias da Terra,
Todos os governos, juízes, deuses, chefes,
Estão no sexo como partes dele, como justificações dele.

O homem de quem gosto sem rubor conhece e aceita as delícias do seu sexo,
A mulher de quem gosto sem rubor conhece e aceita as delícias do seu.

Agora desdenharei as mulheres impassíveis,
Irei e estarei com a que me espera, e com as ardorosas mulheres que me agradam,
Vejo que elas me compreendem e não me rejeitam,
Vejo que me merecem, delas serei o robusto esposo.

Não são em nada inferiores a mim,
As suas faces estão queimadas de sóis e ventos,
As suas carnes têm a antiga flexibilidade e força divinas,
Sabem nadar, remar, cavalgar, lutar, atirar, correr, atacar, retroceder, avançar, resistir, defender-se,
São supremas por direito próprio - são calmas, lúcidas, donas de si mesmas.

Quero-vos perto, mulheres, apertando-vos,
Não vos posso soltar, desejo o vosso bem,
Sou para vós e vós para mim, não só por nós mas também pelos outros,
Em vosso sono dormem heróis e bardos maiores,
O vosso despertar é só para mim e  mais ninguém.

Aqui estou, mulheres, abro caminho,
Sou firme, cáustico, enorme, inflexível, mas amo-vos,
Não vos magoo mais do que o necessário,
Dou-vos aquilo que gera filhos e filhas dignos destes Estados, aperto-vos com rudes e lentos músculos,
Fortaleço-me, não vos dou ouvidos,
Não me atrevo a retirar-me até depositar o que durante tanto tempo acumulei em mim.

Desaguo em vós os meus rios contidos,
Aspiro em vós os próximos mil anos,
Enxerto em vós os meus amados rebentos e os da América,
As gotas que destilo em vós darão vida a ágeis raparigas, novos artistas, músicos, cantores,
Os seres que engendro em vós, engendrarão outros seres,
Exigirei homens e mulheres perfeitos do meu pródigo amor,
E que eles se interpenetrem com outros como nós o fazemos agora,
Confiarei nos  frutos que das chuvas brotam, como confio nos frutos das chuvas que de mim agora brotam,
Procurarei as amorosas colheitas do nascimento,  vida, morte, imortalidade, que amorosamente semeio agora.


Walt Whitman in "Folhas de Erva"
Tradução José Agostinho Baptista,
Assírio & Alvim


Sem comentários:

Enviar um comentário