2017-01-30





Grades da Linguagem

O círculo do olho entre as barras.

Animal cintilante a pálpebra
rema para cima,
liberta um olhar.

Íris, nadadora, sem sonhos e sem brilho:
o céu, cinzento-coração, deve estar por perto.

Inclinada, na ponta do ferro,
a limalha fumegante.
No sentido da luz
adivinhas a alma.

(Fora eu como tu. Foras tu como eu.
Não estávamos nós
sob uma monção?
Nós somos estranhos.)

A laje. Sobre ela,
muito apertadas, as duas
poças cinzento-coração:
duas
Bocas cheias de silêncio.


Paul Celan in "Não sabemos mesmo o que importa"
Trad. Gilda Lopes Encarnação
Relógio D'Água 


 

Sem comentários:

Enviar um comentário