2017-08-29


O Mais Fundo de Nós Mesmos

A uma certa altura do auto-conhecimento, quando estão presentes outras circunstâncias que favorecem a auto-segurança, invariavelmente e sem outra hipótese sentimo-nos execráveis. Todas as medidas do bem — por muito que as opiniões possam diferir sobre isto — parecerão demasiado altas. Vemos que não passamos de um ninho de ratos feito de dissimulações miseráveis. O mais insignificante dos nossos actos não deixa de estar contaminado por estas dissimulações. Estas intenções dissimuladas são tão horríveis que no decurso do nosso exame de consciência não vamos querer ponderá-las de perto, mas, pelo contrário, ficaremos contentes de as avistar de longe. Estas intenções não são todas elas feitas apenas de egoísmo, o egoísmo em comparação parece um ideal do bem e do belo. A porcaria que vamos encontrar existe por si só; reconheceremos que viemos ao mundo pingando este fardo e sairemos outra vez irreconhecíveis, ou então demasiado reconhecíveis, por causa dela. Esta porcaria é o fundo mais profundo que encontraremos; nos fundos mais profundos não haverá lava, não, mas porcaria. É o mais fundo e o mais alto e até as dúvidas que o exame de consciência origina em breve enfraquecerão e se tornarão complacentes como o espojar de um porco na imundície.

Franz Kafka, in "Diário (07 Fev 1915)"

5 comentários:

  1. Completamente verdadeiro... E o que fazer com isso?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. fingir que não se vê?!
      Olhar para o(s) outro(s)e apontar-lhe as porcarias. Ir para as redes sociais cavalgar a onda da última indignação etc.
      (Esta manhã acordei cínica) :)

      Eliminar
  2. Acordas sempre assim... :-)
    É mesmo preciso ver...
    Mas também ver um outro lado, não?
    Nem sempre anjos, nem sempre diabos...

    ResponderEliminar
  3. somos seres maravilhosamente complexos. é um facto. :)

    ResponderEliminar