2017-11-24


#imagem - Wendy Ewald
«Para Deus o bom grão é mais importante e mais verdadeiro do que a cizânia, a luz vale mais do que a escuridão, o bem pesa mais do que o mal.»

Bem mais do que o(s) Papa(s)e/ou as pessoas da comunidade mais restrita, foi este discurso que me arredou da Igreja. Este modo simplista, lírico, desumano de olhar cada um para si próprio e para os outros. 
Não posso dizer que tenho pena, pelo contrário, vou seguindo mais livre, que é o caminho que me convém. Livre na errância.

2017-11-23

Daqui

Hesitei se devia publicar esta foto. Não sou dada a considerar que uma imagem define uma pessoa ou situação. Mas é uma imagem forte, portanto, aqui fica.

2017-11-22

o que nos sobra é tudo o que vai daqui até ao mar

TERRA NAVEGÁVEL

Vamos pela tarde fora à procura de deus.
Depois do dia ter falhado com as suas promessas
o que nos sobra é tudo o que vai daqui até ao mar.

Transporto no coração a contagem dos passos
e na cabeça a língua que se prende
por engano ao céu da boca.

Será sempre preciso navegar em terra,
agarrar o que resta pela cintura e disfarçar o corpo
nu entre os rochedos.

Cada palavra é um remo, cada abraço perdido
uma bóia a menos no costado.
Os aparelhos da fala excrementos das gaivotas.

A tarde recolheu os últimos sinais da divindade.
Avançamos à procura da água
prometida.

Confundimos as ondas com os limos da garganta,
as cavernas com as muitas moradas, o destino
com mais um precipício antes da noite.


Armando Silva Carvalho in "A Sombra Do Mar"
Assírio & Alvim

2017-11-16


#refugiados Rohingya - Reuters/Navesh Chitrakar

Dies Irae

Apetece cantar, mas ninguém canta.
Apetece chorar, mas ninguém chora.
Um fantasma levanta
A mão do medo sobre a nossa hora.

Apetece gritar, mas ninguém grita.
Apetece fugir, mas ninguém foge.
Um fantasma limita
Todo o futuro a este dia de hoje.

Apetece morrer, mas ninguém morre.
Apetece matar, mas ninguém mata.
Um fantasma percorre
Os motins onde a alma se arrebata.

Oh! maldição do tempo em que vivemos,
Sepultura de grades cinzeladas,
Que deixam ver a vida que não temos
E as angústias paradas!

Miguel Torga, in 'Cântico do Homem'

2017-11-05

Not Dark Yet - Bob Dylan

ALGUMA ETERNIDADE

Um nome é uma vida, um sangue, um coração absoluto,
o estremecer de alguma eternidade.

Tudo tem direito a um nome.
Até uma lagarta que se move entre as frescura das couves
e os restos amarelos do que já apodreceu,
com todos os seus gestos lentos de cocotte,
não despedaça o seu nome na lama.
A boca de deus chamará
por ela.


Olhai toda a natureza exuberante
que merece o esplendor de uma outra nomenclatura.
A não-nomenclatura que existe antes do verbo,
todo esse despertar do mal e bem entre a matéria,
da exaltação da flora desumana,
da língua branca e fria
e glaciar,
da boca aberta da lava,
dos avós asteróides, da desordem do ser e do silêncio,
da igualdade da morte, da monotonia
da vida.

Os nomes não queimam o tudo e todos
que a eles têm direito.
É a língua da carne em chamas,
no frio da casa obscura,
feita de nós, por nós, ociosos de deus,
criada de apelos verbais,
pois quem finge que chama, chama para dividir
e reinar,
nunca saberá olhar a sombra do seu próprio monstro,
e ser também a simples partícula do bem
suspenso no vazio do seu nome.


Armando Silva Carvalho in "A Sombra do Mar"


2017-11-03

quem não gosta é uma folha de couve

ademais

Os homens, reconhecendo a inconveniência de aceitar a natureza feia como ela às vezes se apresenta, deliberaram, de comum concerto, pôr-lhe máscara.


Camilo Castelo Branco in "O Que Fazem as Mulheres"

abrir os olhos é preciso


Temo, temo seriamente, que tanta indignação com os casos mais mediáticos de violência doméstica e de assédio, sirvam apenas para aliviar algumas consciências. E todas as mulheres e crianças, que não têm nome para aparecer nos jornais ou redes sociais, continuem no anonimato a ser tão vítimas quanto o foram antes.