2018-02-16

ora bem

Se eu fosse... [António Guerreiro]

 

4 comentários:

  1. Vim cá ontem, li, e fui embora...

    Podia ter dito que o texto é muito mais corajoso que as pessoas que saem "dentro do armário" nos jornais ou na televisão, mas não sei bem se é verdade.

    Até o uso da palavra paneleiro (com mais ironia do que parece...), não é nada deacabido.

    Até porque quando se diz que se é gay numa entrevista bonita, as pessoas ficam a pensar que o fulano "apanha no cu" mas é um gajo porreiro.

    abraço Maria

    ResponderEliminar
  2. Eu sublinho o tom de desafio que o texto do AG contém. Desafio para não nos acomodarmos a este ou aquele pensar. A decisão de falar (nem quero usar o termo assumir porque isso só pode ser um processo íntimo) ou não falar cabe a cada um.

    Sim, concordo com a tua avaliação. Estas entrevistas fazem sobressair uma condescendência que não é de todo um bom caminho.

    Abraço Luís

    ResponderEliminar
  3. (resolvi escrever sobre o tema no "largo"...)

    ResponderEliminar
  4. (resolvi escrever sobre o tema no "largo"...)

    ResponderEliminar